Compartilhe:

Postado Por : LUCIANO SILVA 15 de dez de 2015


O fracasso (Continuação 02)

 A vida para família Batista continuava muito difícil, mas Amado tinha uma ideia fixa: ser cantor. Seu irmão Artênio até o incentivou e lhe deu outro instrumento, um violão. A certeza de que não poderia desistir de seu sonho veio nesse momento. Logo começou a dedilhar os primeiros acordes. Como não podia deixar de trabalhar a ajudar a família, Amado dividia o tempo entre os estudos, o trabalho e, agora, o violão.

 Era nas horas vagas que ele pegava o instrumento, apoiava-o no colo, junto com um método de ensino - desses vendidos em banca de jornal - e treinava.

 O sonhador só largava o violão na hora de ir trabalhar. Sua primeira experiência profissional foi em uma camisaria, como faxineiro; nessa loja, aprendeu a pregar botão, ofício que nunca mais esqueceu. Sentiu de lá para trabalhar como balconista em uma loja de tecido. Foi lá que lhe ensinaram a ir ao banco e fazer depósitos, coisas de office-boy.

 Amado já não era mais um garoto e, com a ajuda de alguns amigos, aprendeu a andar de bicicleta. O primeiro de seus sonhos já fora realizado: sabia andar de bicicleta. Com suas economias, ele comprou uma. Agora faltava o mais difícil, tornar-se um cantor famoso. Mais como faria isso?

 - De onde eu vim - referindo-se às suas origens e condições financeiras - não dava pra comprar uma bicicleta, mais foi um dos primeiros veículos pelo qual me apaixonei e eu adoro andar de bicicleta - disse o cantor.

 Como nada veio fácil em sua vida, ele precisou começar de baixo diversas vezes. Em 1967, Amado, então com 15 anos, mudou novamente de emprego e passou a trabalhar em uma famosa livraria de Goiânia, a Bazar Oió.

 Enquanto fazia o colegial, o jovem trabalhava na livraria. uma de suas obrigações era ler. Lia todos os livros que conseguia, decorou gêneros e as histórias das obras mais vendidas, para poder informar os clientes, quando solicitado. Nessa livraria, todas as sextas-feiras havia lançamentos de publicações de grandes escritores nacionais e goianos. E foi no lançamento do livro Meu pé de laranja lima que Amado, já com 16 anos, conheceu José Mauro de Vasconcellos, autor da obra e uma das pessoas que o jovem rapaz admirava.

Continuaremos a publica esse destaque o fracasso de Amado Batista. Continua...


Amado Batista - O pobretão - 1999

Deixe um Comentario

Receba nossos post por Email | Receba nossos Comentários

Deixe seu Recado!

Total de visualizações

Mais Lidos

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © Amado Batista Club -- Traduzido Por: Jaquisson da Cruz